Sobre os últimos seis dias e aqueles que esperavam passar o “país a limpo” derrubando o Dilma

Passados seis dias do gol… Ah deixa pra lá. Não vou usar esse termo porque dependendo da pessoa que começar a ler já vai desistir no começo.

Continuando, passados esses seis dias, é incrível a guinada que o país deu. Temer assumiu o poder, e agora o seu partido (PMDB) preside a câmara, o senado, a maioria dos estados e prefeituras.

Temer indicou 7 pessoas citadas na operação lava a jato para seu ministério, sendo que 3 são investigadas. Extinguiu o CGU, órgão do Governo Federal responsável pela defesa do patrimônio público e combate à corrupção e o colocou sob seu controle.

O ministro do STF Gilmar Mendes suspendeu a coleta de provas em investigação sobre o senador Aécio Neves (PSDB). Janot defendeu que o STF derrube liminar que obrigou abertura de impeachment contra Temer.

O Movimento Brasil Livre e o VemPraRua, ditos “apartidários” e “contra a corrupção” e que puxaram e financiaram as manifestações verde-amarelas contra Dilma agora rasgam elogios a Temer. A FIESP e demais organizações patronais que antes eram contra novos impostos agora parecem não ver mais tanto problema na recriação da CPMF e aumento da CIDE. A maçonaria que também financiou os movimentos está feliz, pois agora tem um declarado ex-maçom no poder.

A lava a jato sumiu dos jornais. A imprensa agora fala em paz e conciliação nacional e esconde (ou dá pouca atenção) para as diversas manifestações contra Temer, que agora voltaram a ser tratadas como sempre foram: com tiro porrada e bomba. A imprensa também fala no “otimismo” no mercado e defende as medidas “amargas” que Temer “terá que tomar” para tirar o país do buraco (incluindo aumento de impostos).

Os cortes em áreas sociais também já começaram a ser ampliados. O Ministério da Cultura foi extinto, assim como o Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos e o do Ministério do Desenvolvimento Agrário. Já existem cortes no Minha Casa Minha Vida, e ministros já falam que o “SUS é muito grande” e que devem haver cortes no Bolsa Família. Mas acho que esse tipo de coisa não comove muito quem foi as ruas para tirar o PT do poder.

Então vou me ater a dois pontos: Se você foi pra rua contra a corrupção e por menos impostos contra a classe média, sinto lhe dizer, mas você foi enganado.

Essa manobra foi feita para beneficiar o topo da pirâmide, aqueles 1% da sociedade do qual a gente não faz parte, mas algumas pessoas insistem em defender com unhas e dentes como se fizessem.

Pode chamar o “golpe” de “farsa” se não estiver convencido.

Agora, que tal deixar de lado todo aquele rancor e voltar a se organizar contra todo esse sistema?

Sei que vai ser mais difícil, sem a Globo chamando a galera pra rua, sem o financiamento de organizações nada transparentes como o MBL, VemPraRua ou mega-organizações como a FIESP. E claro, com o bafo da Polícia no cangote.

Mas vai por mim, é possível. Muita gente está a anos se movimentando pra isso. Embora muitas vezes tenhamos sido chamado de vagabundos e baderneiros por vocês.

Se não for pra voltar pra rua, pode ser apenas uma critica via Facebook. Vai lá, não dói. Você não vai virar petista comunista ou esqueodopata e de brinde ganha pelo menos a oportunidade de dizer que não foi massa de manobra nessa farsa toda.

Pode crer que muita gente vai te cobrar depois.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.