Nota de solidariedade aos atingidos

Prestamos solidariedade à todxs xs atingidxs pelo rompimento da barragem de Brumadinho/MG.

Afirmamos que estamos, não somente com os trabalhadores atingidos e seus familiares, mas, com todos os humanos, não-humanos, com família ou sem família; atingidos por este crime brutal.

O que aconteceu hoje em Brumadinho não é consequência da impunidade de Mariana. É consequência de centenas de anos de elites saqueadoras e assassinas. É consequência de oposições astigmáticas e condescendentes a esta elite. É consequência do fetiche dos que desejam ter um “estado para chamar de meu”. Consequência de nossos machismos e racismos estruturantes. Da psicopatia social em que estamos mergulhados. Consequência de desmantelamentos e aparelhamentos de organizações de resistência. Consequência de silenciamentos como o silenciamento das insurreições de Junho de 2013. Pinheirinhos/São José dos Campos; Rafael Braga, Marielle Franco; os 23, Vitor Kaigang, Museu Nacional e de outros centenas de milhares de silenciamentos que deitamos sobre o colo do estado tutor e/ou às providências divinas. A lista é imensa e não temos a inocência, e/ou a má-fé, de reduzir este brutal crime de brumadinho à impunidade de Mariana.

Denunciamos este governo nefasto, abjeto e assassino; mas apontamos que este governo representado pela figura de seu presidente é sintoma de algo muito maior. Assim como denunciamos todos os anteriores governos, que podem, sem nenhuma dificuldade, serem apontados de biocidas, etnocidas, genocidas; atentando frequentemente e permanentemente e violentamente contra territorialidades, contra lutas por liberdade, indígenas, quilombolas, camponeses, periferias, pessoas em situação de rua, contra milhoes que vivem em extrema pobreza, marginalizados, abandonados à própria sorte.

Denunciamos atuação progressista, liberalista, aceleracionista, reformista, negacionista; seja ele da direita ou da esquerda que abrace estes fundamentos. Não será este estado governado por psicopatas sociais, nem os anteriores e nem nenhum estado que poderá encerrar estes crimes. Estes crimes somente serão encerrados com o fim do capital, com o fim desta democracia cínica.

Não pedimos a extinção da Vale. Pedimos a extinção da barbárie contra a natureza e contra nossos corpos. Tanto faz se a empresa que destrói é privatizada, multinacional ou estatal. O que deve estar no centro da discussão não é qual o melhor modo de se produzir, e sim qual modo de estar não destruirá vida.

Não pedimos que a sociedade abra os olhos, porquê não achamos que a sociedade está de olhos fechados. Não temos essa arrogância infantil em nossas mochilas.

Não importam as toneladas de provas contra a vale, provas não faltam, nunca faltaram, e estes que aí estão no governo (assim como os anteriores) reivindicarão averiguações e investigações e teu respeito pela ponta de um fuzil. Vermelhos e Verdes.

Brumadinho é um grande colapso. Mas, todos os dias, os dias inteiros, colapsos acontecem ininterruptamente, múltiplos, pequenos ou grandes; e vão se multiplicar, vão seguir. E queremos estar aonde?, fazendo o que?, Em tempos medíocres como estes que estamos vivendo, para o extraordinário acontecer, é preciso criá-lo.

O vocativo “Atenção, crime ambiental” não abarca a brutalidade invisível por trás dele. Por isto, pixamos em seu lugar outro: “Atenção, Deserto”. 

Contra todo estado e contra o capital, pois são práticas de morte e destruição.

Decolonizemos pensamentos.

Reafirmamos que estamos, não somente com os trabalhadores atingidos e seus familiares, mas, com todos os humanos, não-humanos, com família ou sem família; atingidos por este crime brutal.

Abraçados, unidos, solares; lutemos!

Liberdade!

Assine você também!

Fonte: https://telegra.ph/Nota-de-solidariedade-aos-atingidos-01-26

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *